Contos Secretos

 

Sutra

 

A reportagem na revista Sábado

 

 

Chegou de surpresa a proposta.
Um dia cheguei à minha caixa de correio e encontrei um e-mail de um jornalista da revista Sábado, o Nuno Tiago Pinto, através do qual me propunha ser entrevistada para uma reportagem sobre os diários íntimos de mulheres na internet. E eu aceitei esse convite.
É claro que, de alguma forma, se apoderou de mim, uma espécie de nervoso e ansiedade e, em simultâneo, uma curiosidade e divertimento. Estava tomada dos ingredientes necessários para seguir em frente e a entrevista ocorreu na semana passada.
A revista Sábado publicada no dia 17 de Agosto de 2006 trazia como tema da capa «A Moda das Confissões Sexuais» e é um excerto da reportagem aquilo que vos trago aqui.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reportagem na Revista Sábado

por

Nuno Tiago Pinto

 

A Sábado considera o Contos Secretos com Grau de Erotismo 9

 

É uma análise ao conteúdo dos textos, às descrições que podem ser mais explícitas ou menos.

Numa escala de 1 a 10, este site foi classificado em 9 quanto a esse nível de erotismo.

Sutra                         

 

 

«À excepção das que são desmascaradas, as autoras dos blogues escondem a identidade por trás de um nome falso. No caso de Felina, apenas o marido sabe quem ela é. O anonimato é essencial para preservar a vida familiar e profissional.

(...)

Foi este o motivo que levou Sutra, 26 anos, sócia de uma empresa de Recursos Humanos da região de Lisboa e autora do blogue Contos Secretos (www.contossecretos.com), a falar com a SÁBADO apenas por telefone. Para Sutra, o sexo e o erotismo ainda são “encarados com preconceito, apesar de muitas pessoas dizerem que já não é um assunto tabu.”

Se revelasse a identidade, Sutra não imagina a influência que isso teria nas relações com os clientes. “A mulher que assume que é sensual e que gosta de realizar as suas fantasias é sempre olhada de lado. Há uma visão masculina e isso nota-se nos contactos do blogue”, diz.

Entre os 440 mil leitores que já teve desde que começou a escrever na Internet, houve quem lhe enviasse o telefone e quem lhe perguntasse quando queria experimentar algumas das aventuras e fantasias que descreve. No ano passado, um leitor chegou a colocar uns “quatro ou cinco insultos”. Os restantes tentam aproximações mais suaves.

“O objectivo se calhar é o mesmo, mas há pessoas que falam comigo dos seus problemas e isso suplanta tudo o resto”, diz.

Ao contrário de Felina –que apenas mantém contactos através da Internet –, Sutra já se encontrou com dois leitores. Um deles viria a tornar-se seu namorado. “Não costumo fazê-lo, mas houve alguma coisa nas nossas conversas que me cativou. Ficámos juntos quatro meses. Nunca aguento muito tempo as relações.” Outros namorados nunca souberam da existência do blogue. “É algo muito íntimo. É revelar que quem está ali sou eu e não gosto de revelar muito sobre mim mesma.”

Contradição, para alguém que se expõe na Internet?

“Não, porque ninguém sabe quem eu sou. Quem lê as histórias da Sutra não me consegue identificar.”

(...)»

   

Clica para ampliar

«O Contos Secretos começou como um simples diário. Mas depois a autora começou a publicar contos da sua autoria e fotografias que revelam partes do seu corpo, mas que mesmo assim não permitem identificá-la. Escreve quase todos os dias. A maioria das vezes usa o computador de casa. Mas não é raro escrever enquanto está a trabalhar.

No diário, podem ler-se descrições de situações tórridas com alguns namorados e affaires recentes. Estão lá também as experiências sexuais em locais públicos, as escapadinhas a casa na hora de almoço e a realização de fantasias como sexo a três durante as férias de Verão. “Sou a pessoa que faz tudo aquilo que está no blogue, mas também tenho uma faceta mais calma, o lado profissional que se mantém durante o dia”, explica. No entanto, confessa que se sente excitada com “a sensação de poder ser outra pessoa”, que aqueles com quem contacta no dia-a-dia não conhecem. “É como sair do trabalho e deixar também a roupa na empresa.”

Para o sociólogo Nuno Nodin, os blogues eróticos são “uma forma de as mulheres exprimirem a sua sexualidade sem qualquer repressão”. Mas “também pode ser visto como exibicionismo da sua intimidade ou uma maneira de se sentirem mais fortes e seguras da sua sexualidade.”

Sutra acha que não há exibicionismo nenhum. “Em primeiro lugar, faço o blogue para mim. Há alguém mais importante do que eu?”(...)»

 

     

 



Clica
para
ampliar

Clica para ampliar

Revista Sábado: Porque decidiu criar um blogue erótico?

Sutra: Um amigo leu um pequeno conto que escrevi e incentivou-me. Para mim, o Contos Secretos é um diário, mas aos poucos comecei também a escrever fantasias. As reacções dos leitores levaram-no para onde está hoje.

RS: Quem é que frequenta o seu blogue?

S: A maioria são homens, entre 60% e 70%. Os homens revelam-se mais do que as mulheres e são capazes de comentar. Mas recebo muitos emails de mulheres que lêem o blogue desde o início mas nunca tinham tido coragem de enviar comentários.

RS: Alguma vez pensou em contar a alguém que é autora de um blogue erótico?

S: Uma ou duas vezes. Mas não o fiz porque só confio a 100% em mim mesma. E mesmo assim às vezes surpreendo-me.

RS: Porque acha que há cada vez mais mulheres com blogues íntimos?

S: É um reflexo da vontade das mulheres em mostrar ao mundo que também têm desejos. É uma espécie de libertação, mesmo que seja às escondidas.

RS: Já pensou em publicar um livro com o conteúdo do blogue?

S: Já me passou pela cabeça. Em pequena quis ser escritora e gostava de ter algo publicado. Mas teria que ser o conjunto do blogue, os contos e o diário. Todos os meus textos estão registados na Inspecção Geral das Actividades Culturais. 

 

 

 

 

 

 

 

O meu agradecimento à Revista Sábado e aos profissionais envolvidos.

 

Sutra

 

© www.contossecretos.com 2006

 

A par dos «Contos Secretos» foram ainda referidos mais três blogs, dois deles encontram-se nos meus links favoritos praticamente desde o início.

A Felina e o Ponto G

A Luna e o
Rubro


A Cicuta e o
Cicuta - Diário de Uma Mulher

Um abraço às três