20 Comments

Experiência a Três

Finalmente vos vou contar a tal experiência de menáge que tive – ou espécie de menáge.

Ana e Ricardo vieram desafiar-me a sair, mesmo depois de lhes ter dito por telemóvel que, nessa noite, não pretendia sair. Acabaram por me convencer e lá fomos até às Docas. Depois de um jantar bem regado a sangria, resolvemos sair dali e ir até à 24 de Julho, onde nos encontrámos com alguns dos amigos habituais e, como fazemos esporadicamente, andámos de bar em bar, bebendo cerveja. Até que resolvi vir para casa, enquanto ainda conseguia ter noção do que fazia, apesar do “alegre” e um pouco tonta.
Ana e Ricardo quiseram acompanhar-me para um último copo, já no meu apartamento. Entrámos e eles encaminharam-se de imediato para o sofá, onde se sentaram, abraçados. Liguei o som bem baixinho para não incomodar o raio da vizinha de baixo – e, desta vez, até teria razão, eram 6 horas da manhã – e segui para a cozinha, onde fui buscar as cervejas ao frigorífico.
Quando entrei na sala, copos numa mão e garrafas na outra, Ana estava sentada ao colo de Ricardo, de frente para ele, abraçando a sua cintura com as pernas. Beijavam-se loucamente e a mão direita de Ricardo perdia-se debaixo da blusa de Ana, acariciando-lhe os seios, enquanto a outra lhe apertava as nádegas de encontro a si.
Estaquei a olhá-los e o desejo começou a invadir-me ao observar o desejo deles.
Devo ter soltado algum gemido, algum som, porque pararam repentinamente, olhando para mim.
Antes, devo dizer-lhes que Ricardo é um daqueles homens de fazer suspirar a mais fria das mulheres – alto, moreno, olhos negros, boca sensual, corpo sem a mais pequena grama de gordura devido à natação, ou seja, um belo exemplar masculino.
Ana, sabendo o que eu pensava de Ricardo, chamou-me para junto deles. Sentei-me ao lado de Ricardo, ainda com as cervejas na mão e Ana pegou em uma das garrafas e levou-a aos lábios, sorvendo um gole, depois outro e mais outro, aproximando a boca de Ricardo e deitando na boca deste o último gole de cerveja, enquanto trocavam mais um beijo.
Ricardo olhou-me e pegou na mesma garrafa levando-a aos lábios, sorvendo também alguns goles daquele néctar, depois aproximou a sua boca da minha e, começando a beijar-me foi deixando escorrer o líquido de sua boca, molhando a minha, permitindo que gotas de cerveja deslizassem por lábios, queixo, pescoço. Depois sua língua percorreu o mesmo caminho, lambendo cada pedaço de pele.
Ana saiu do colo de Ricardo, começando a despir-se lentamente, enquanto dançava ao som dos blues entoados numa voz rouca.
Enquanto isso, eu e Ricardo já nos envolvíamos num abraço quente, num beijo alucinado, línguas entrelaçadas e mãos que buscavam descobrir peles – pele um do outro – e fomos despindo-nos, esquecendo tudo a não ser a procura da satisfação daquele desejo.
Comecei a sentir afagos nos meus cabelos que descobri não serem das mãos de Ricardo, mas sim de Ana, e beijos que desciam pelas minhas costas.
As mãos de Ana agarraram-me os seios, ofertando-os à boca, lábios, língua e dentes de Ricardo, enquanto os seus próprios seios se esmagavam contra as minhas costas. Senti-lhe os bicos rijos, tal como se encontravam os meus, debaixo das carícias dele; uma das mãos de Ricardo encontrava-se entre as minhas pernas, acariciando-me o sexo, enquanto as minhas se perdiam na sua virilidade soberbamente erguida.
Depois… depois… entrei num oceano de torpor… torpor de desejo, volúpia e luxúria, do qual apenas me recordo da boca de Ana na minha, depois a de Ricardo, e as nossas bocas que se tocavam, entrelaçando línguas, já não sabendo qual era a de cada um; depois Ricardo dentro de mim, enquanto eu sentada sobre ele, movia o corpo na procura do orgasmo; Ana que me beijava os seios enquanto Ricardo entrava por trás de mim, agarrando-me as ancas e puxando-me contra ele; eu beijando Ricardo enquanto ele entrava em Ana, em gozo louco; e, finalmente os orgasmos, dele, dela, meus, os gemidos a três, a loucura daquele mar de orgasmos nossos, alucinados, de outra dimensão.
Quando acordei estava na minha cama e eles já haviam saído.
Há muito que passara da hora de almoço.

© Sutra 2005

About Sutra

Sutra

20 comments on “Experiência a Três

  1. Ui! Que experiência!!!

    Fiquei sem ar!!! Wink

    Quando penso em algo a mais que 2, imagino exactamente da maneira como descreveste, ou seja, algo inesperado, em que todos estejam em sintonia…

    E o reencontro com o casal? Já aconteceu? Como correu?

    Beijo-te,
    Pedro

  2. Humm experiência a três…
    Deve ser divinal…
    Tb gostava que me surgisse assim uma oportunidade…
    Ficas desde já convidada a… contares mais da tua aventura… lol(just kidding)
    È muito relaxante ler a tua escrita…continua…
    Huge kiss

  3. Como sempre cá estou eu para dar um pequeno comentário, junto à minha opinião pessoal. Não sou muito adepto de algo a mais que dois, acho que se perde muita da ligação directa e pessoal, mas também não posso falar muito porque nunca experimentei, mas depois de já ter falado sobre isso com algumas pessoa chego a conclusão que novas experiências não são demais, mas quando as coisas são a dois existe uma ligação maior e directa, e como eu tento e gosto de ser atencioso seria mais difícil dar essa atenção a duas pessoas ao mesmo tempo, concluindo não me vou esforçar para ter uma experiência a três. Como aconteceu aqui as coisas tem de acontecer por elas, pelos momentos e situações,
    “Não faço planos para a vida, para não estragar os planos que a vida tem para mim”

  4. Perfeito. Conseguiste passar a imagem, o clima, tudo, sem entrar no porno, não é a gente não goste, mas foi 5*. Quem me dera escrever assim.

  5. isso é o sonho de qq mortal .. axo eu heheheehh

  6. Hummm uma experiencia interessante…que qualquer homem anseiqa, mas que nem todos têm a sorte de concretizar.
    Parabens pelo blog e pelos post’s

    Beijo Humido

  7. Su, cada vez mais consegues passar a tua sensualidade pela escrita Wink

  8. Pedro, foi mesmo inesperado e delicioso, mas o incómodo veio depois, no dia seguinte. Rolls Eyes

    Beijo com gosto de pêssego

  9. Patriot, já que estou convidada… continuarei Wink
    Obrigada pelas tuas palavras e espero que chegue essa oportunidade de experimentares algo assim… Wink

    Beijo relaxante Wink

  10. querty, grande frase a que citaste – também não gosto de planos Wink
    E deixa-te levar na onda que, um dia, pode aparecer algo assim completamente de improviso e aí saberás se será ou não uma boa experiência. Wink

    Beijo com música de fundo Wink

  11. Marco, obrigada pelos elogios. Wink

    Beijo com réstia de sol Wink

  12. Passo, esse é um sonho teu LOL Já vi que sim Wink

    Beijo com gosto de café Wink

  13. Minetereal, e tu já concretizaste? Wink

    Beijo real 8) (este é na mão)

  14. Rui, obrigada Smile

    Beijo docinho

  15. Wink

    Beijo daqueles que te levam ao ceu Wink

  16. Ao céu? LOL
    Ou às nuvens?
    Às estrelas?

    Twisted

  17. Beijo daqueles que te levam ao limite do prazer Wink

  18. Excelente conto, excelente mesmo…

    Como referiram…consegues “excitar” sem ser porno..

    O teu menage foi bem erótico…o que eu tive foi bem mais porno Grin

  19. Mobster, obrigada pelo elogio. E como foi esse teu menáge? Twisted

  20. Nossa isso que é um conto!
    Nada de pornografia, e simplesmente excitante!!
    Amei
    Sempre amei fazer isso!!

Comments are closed.

Recent Images Plugin developed by YD